Sunday, May 24, 2015

Importância do Manual na Operação, Manutenção e Treinamento de Máquinas

12.125. As máquinas e equipamentos devem possuir manual de instruções fornecido pelo fabricante ou importador, com informações relativas à segurança em todas as fases de utilização.

Como exige a norma acima é obrigatório o manual.

O manual tem a função de orientar a operação, a manutenção e o treinamento em máquinas.

Quem pode fazer fazer essas atribuições?
12.135 - "o profissional legalmente habilitado"

Quem pode realizar treinamento?
12.141. Considera-se profissional legalmente habilitado para a supervisão da capacitação aquele que comprovar conclusão de curso específico na área de atuação, compatível com o curso a ser ministrado, com registro no competente conselho de classe.
Esse profissional é o Engenheiro Mecânico.

Porque só o engenheiro mecânico pode dar treinamento de máquinas e quais as recomendações para o engenheiro mecânico dar um bom treinamento?
O engenheiro mecânico estuda todos os elementos que compõe as máquinas, sabe como dimensionar, estuda o comportamento dos materiais submetido a diversas esforços e situações. Pode identificar situações em que esses componentes não funcionem corretamente.

Operar, fazer manutenção, realizar treinamento sem observar o manual é um erro inaceitável.

Sunday, September 15, 2013

Máquinas de combustão interna

O uso desses equipamentos exige que devem ser observados:

  • Treinamento ao operador do equipamento;
  • Reciclagem do Treinamento no mínimo anual;
  • Revisão do equipamento a cada 6 meses ou 1000 horas de uso;
  • Em condições muitos adversas diminuir o tempo de revisão pela metade;
  • Elaborar Análise de Risco para cada atividade;
  • Nunca improvisar sem anuência do departamento de segurança;
  • Manutenção apenas por profissional qualificado;
  • Travar as partes móveis, com elemento físico, para fazer manutenção.
  • Ausência de recomendações de operação importantes no Manual de operação do equipamento;
  • Em movimentações de risco é recomendado o acompanhamento de um técnico de segurança.

Os maiores incidentes vem da falta de treinamento do operador, da improvisação em uma atividade sem análise de risco.

Friday, November 23, 2012

Máquinas com DISCO

SERRA CIRCULAR, POLICORTE, SERRA MÁRMORE, LIXADEIRA, ESMERILHADEIRA E ETC.
Essas máquinas precisam ter muito cuidado para o trabalho, por exemplo:
  1. DISCO -Verificar se esta em perfeito estado, sem rachaduras, sem empenos, sem quebras;
  2. EIXO    -Verificar se há empenos, vibrações ou disco mal encaixado;
  3. EPC      -Proteger toda a periferia e colocar aviso para não se aproximar;
  4. EPC      -Sempre que possível fazer recipiente de coleta do material particulado;
  5. EPI        -Usar: Óculos, Protetor auricular, Avental, Luvas resistente. 
Operacional
  1. Cuidado na velocidade de entrada do material;
  2. Verificar se não há substâncias estranhas no material, tipo prego, pedra e etc;
  3. Verificar aquecimento excessivo da ferramenta de corte;
  4. Verificar se o material a ser cortado, lixado esta bem fixado;
  5. Verificar o aterramento;
  6. Para pequenos objetos utilize um Empurador;

Wednesday, November 21, 2012

CHECK LIST DE MÁQUINAS



A função do Check list é evitar acidentes e evitar parada da máquina na hora do trabalho.
Esse quadro abaixo deve ser adaptado à máquina de acordo com suas características.

click para aumentar
click para aumentar



  


 

Wednesday, October 12, 2011

AS NORMAS SÃO GERAIS , NÃO SÃO ESPECÍFICAS

NÃO SE PODE FAZER AS MESMAS EXIGÊNCIAS DE UM GUINCHO INSTALADO NUM EDIFÍCIO DE 8 PAVIMENTO PARA UM DE 45 PAVIMENTOS.
As exigências das normas de forma indiscriminada, sem levar consideração o tipo de equipamento, não é compreensível.
Exige-se ensaios de eixos de todos os guinchos, entretanto sabemos que muitos guinchos não tem eixos submetidos a esforços de torção, o que diminui muito a possibilidade de quebra.
Esses eixos tem esforço 10 vezes menor. Nunca vi um eixo desses quebrar, entendo que se faça ensaios mas não com a frequência exigida.
Eixos instalados em edifícios de 40 andares tem o número de ciclos mais de 10 vezes quando instalados em edifícios de 8 andares, esse detalhe diminui a possibilidade de quebra por FADIGA.
Outra variável é elevadores de passageiros e de carga, não se pode ter as mesma exigência para esses dois tipos.

FREIO DE EMERGÊNCIA - EM GUINCHO

É importante destacar que os sistemas de freios automáticos, não apresenta confiabilidade, pois mesmo realizando todas as manutenções recomendadas pelos fabricantes não garante que na hora que precisar o freio vai atuar.
O fato é que o ambiente de uma construção tem inúmeras interferência que pode desregular o freio, como entrada de areia, impactos e outros.

Saturday, May 21, 2011

ANDAIMES - áreas de acesso difícil

  É importante que em situações não prevista no projeto, e que envolva algum risco a trabalhadores, não faça IMPROVISAÇÕES, é preferível demorar um pouco mais de tempo e consultar o projetista para não cometer erros grosseiros.
  Neste caso específico é um risco muito grande, porque o trabalhador vai precisar usar este espaço para trabalhar.
  Lembrando também que não trabalhar em andaimes sem checar o estado do cinto e sua fixação.

Wednesday, May 18, 2011

ALTERAÇÕES DA NR-18

PORTARIA N.º  224 DE 06 DE MAIO DE 2011
RESUMO DAS ALTERAÇÕES:
18.14.1 As disposições deste item aplicam-se à instalação, montagem, desmontagem, operação, teste, manutenção e reparos em elevadores de transporte de material ou de pessoas em canteiros de obras ou frentes de trabalho.

18.14.1.4 Toda empresa fabricante, locadora ou prestadora de serviços em instalação, montagem, desmontagem e manutenção, seja do equipamento em seu conjunto ou de parte dele, deve ser registrada no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia -CREA e estar sob responsabilidade de profissional legalmente habilitado com atribuição técnica compatível.
18.14.1.5 Os elevadores tracionados a cabo, fabricados após doze meses da publicação deste item, devem ter os painéis laterais, os contra-ventos, a cabine, o guincho de tração e o freio de emergência identificados de forma indelével pelo fabricante, importador ou locador.
18.14.1.6 Toda empresa usuária de equipamentos de movimentação e transporte de materiais e ou pessoas deve possuir o seu “Programa de Manutenção Preventiva” conforme recomendação do locador, importador ou fabricante.
18.14.1.6.1 O Programa de Manutenção Preventiva deve ser mantido junto ao Livro de Inspeção do Equipamento. 18.14.1.10 Os eixos do carretel e do redutor dos elevadores tracionados a cabo devem ser identificados de maneira a permitir a sua rastreabilidade
18.14.2.1 Os operadores devem ter ensino fundamental completo e devem receber qualificação e treinamento específico no equipamento, com carga horária mínima de dezesseis horas e atualização anual com carga horária mínima de quatro horas.
18.14.21 Torres de Elevadores
18.14.21.4 As torres dos elevadores devem ser montadas de maneira que a distância entre a face da cabina e a face da edificação seja de, no máximo, sessenta centímetros
18.14.21.4.1 Para distâncias maiores, as cargas e os esforços solicitantes originados pelas rampas deverão ser considerados no dimensionamento e especificação da torre do elevador.
18.14.21.19 As cabines dos elevadores tracionados a cabo devem possuir sistema de guias que dispensem a utilização de graxa nos tubos-guias da torre do elevador.

18.14.21.20 Os eixos, do motor e do redutor, nos elevadores de tração a cabo, devem ser identificados de maneira a permitir sua rastreabilidade.
18.14.21.21 Devem ser mantidos atualizados os laudos de ensaios não destrutivos dos eixos do motor e do redutor dos elevadores de tração a cabo, sendo a periodicidade definida por profissional legalmente habilitado, obedecidos os prazos máximos previstos pelo fabricante no manual de manutenção do equipamento.
18.14.22.1.1 É proibido:
) transportar materiais do lado externo da cabine, exceto nas operações de montagem e desmontagem do elevador;
e) adaptar a instalação de qualquer equipamento ou dispositivo para içamento de materiais em qualquer parte da cabina ou da torre do elevador, salvo se houver projeto específico do fabricante que, neste caso deve estar à disposição da fiscalização no local da utilização do equipamento.
18.14.22.4 Os elevadores de materiais tracionados a cabo devem dispor:
e) sistema que impeça a movimentação do equipamento quando a carga ultrapassar a capacidade permitida
18.14.23 Elevadores de Passageiros
18.14.23.1 Nos edifícios em construção com oito ou mais pavimentos a partir do térreo ou altura equivalente é obrigatória a instalação de pelo menos um elevador de passageiros devendo seu percurso alcançar toda a extensão vertical da obra.

Tuesday, May 17, 2011

Serra Circular - normas e recomendações

Além de verificar aterramento, a proteção contra acesso a pessoas estranhas é muito importante não deixar de usar o EMPURADOR, ou outro mecanismo para proteger as mãos da ferramenta de corte.

Monday, May 16, 2011

ANDAIMES móveis - balanças

As principais normas e recomendações em fabricação e operação de andaimes.

  • Projeto com ART das balanças e apoios.
  • Placa com limite de peso entre trec´s.
  • Trabalhar na balança fixada ao prédio (estrutura).
  • Não usar madeira rachada, com nós, pintada e irregulares.
  • fixar os trec´s a estrutura.

GUINCHO - elevação de cargas e pessoas

Normas e atitudes mais importantes para guinchos de cargas e pessoas na construção civil

  • Necessidade de um plano de manutenção preventiva.
  • Freio de emergência funcionando e checado diariamente.
  • Usar freio de estacionamento ao parar nos pavimentos.
  • Cancelas funcionando perfeitamente.
  • Eixo do Tambor realizar ensaios de particulas magnéticas ou raio x.
  • Guincheiro com experiência mínima de 1 ano.

GUINCHO - elevação de cargas

Dentre inúmeras normas as que considero mais importante:

  • Funcionamento do freio de emergência ( freio cunha).
  • Funcionamento das cancelas ( travamento do guincho ).
  • Acionar o freio ao parar nos pavimentos
  • Comunicação entre guincheiro e pavimentos.
  • ART de liberação do guincho.
  • ART de montagem.
  • ART de desmontagem.